Manaus, 11 de Dezembro de 2018
Siga o JCAM:

Tendência mundial empurra gigantes em direção à economia verde

Por:
05 Out 2018, 17h51

Crédito:Divulgação
Empresas como McDonald's, Bob's e Mercado Livre começam a alterar processos operacionais considerados nocivos ao meio-ambiente com a finalidade de reduzir custos e fidelizar clientes




O conceito de sustentabilidade saiu do campo da teoria e passou a habitar efetivamente o ambiente de negócios de grandes corporações. Iniciativas como a substituição do canudo de plástico, reaproveitamento de água e embalagens biodegradáveis estão entre as novas iniciativas ecológicas.

"Há algum tempo que temos realizado trabalhos e projetos sustentáveis. O tema do canudinho de plástico vem incomodando a sociedade como um todo e, por isso, resolvemos começar uma pesquisa nesse sentido até chegar num material ideal comestível", explicou o diretor-geral da marca de food service Bob's, Marcello Farrel.

De acordo com o executivo, o novo canudo da linha de milkshake , que é feito de bolacha e revestido com chocolate por dentro, custa cerca de 5 vezes mais do que o plástico convencional. Esse processo de transformação e planejamento ocorreu durante 1 ano. Ele argumenta que, mesmo com a alta no custo da substituição do material, há potencial para que a ação resulte numa alta de 3% a 4% no volume de vendas no médio prazo a longo prazo. Farrel considera também o poder do apelo sustentável da medida para fidelizar os clientes da rede, tendo em vista que o produto mais "consolidado" do negócio é a própria linha de milk shakes.

Ainda de acordo com ele, a proposta de substituição do componente ganhou o "rápido" aval do conselho da empresa. "Lançamos a iniciativa primeiro no Rio de Janeiro e vamos avançar também para São Paulo e, até o final do ano, deve estar em todo o território nacional", complementou ele.

Outro exemplo de rede de fast food com iniciativas sustentáveis é a Arcos Dorados, franqueadora master da marca McDonald's, na América Latina. "Nossas ações estão organizadas em blocos, que vão desde a sustentabilidade na compra dos insumos até o processo de conscientização no descarte dos resíduos recicláveis em nossas unidades", afirmou o diretor de desenvolvimento sustentável da Arcos Dorados, Leonardo Lima.

O executivo menciona que uma das últimas medidas teve impacto na esfera dos custos operacionais do negócio. "Em relação ao consumo de água, começamos a capturar da chuva e proveniente da condensação dos ar-condicionados e reutilizá-la para limpeza do ambiente e irrigar o jardim", disse o executivo, lembrando também que há economia de 800 litros de água por dia com ações deste tipo.
"Atualmente, temos 330 restaurantes com esse sistema de captação e reutilização de água. A meta é que, a partir de agora, toda nova unidade nasça com essa proposta", ressaltou Lima. Ele pondera, no entanto, que o sistema não deve chegar à todas as lojas devido às diferenças na umidade do ar em certas regiões do País.

Outro ponto destacado pelo executivo diz respeito ao bem-estar animal que servem de matéria-prima para produção da carne. "Anunciamos que os ovos serão apenas de granjas onde as galinhas possam voar", disse ele, afirmando que não houve necessidade de troca dos atuais fornecedores devido às novas políticas de proteção ao animal. "São parceiros de longa data, entramos em acordo com um diálogo alinhado à uma visão mais sustentável" complementou.

Questionado sobre a tendência de substituição dos canudos plásticos, o executivo da Arcos Dorados afirma que a questão deve ir além da substituição por completo do item, com a concepção de um consumo consciente e um descarte adequado.

Marketplace sustentável

As mudanças de posicionamento não se deram apenas em empresas com operações físicas, mas também na logística de sites de compra do País.

O marketplace Mercado Livre anunciou que investirá US$ 1,2 milhão na produção de 4 milhões de embalagens biocompostáveis em suas entregas. "Os preços do bioplástico diminuíram 10 vezes nos últimos 15 anos", conta a especialista em sustentabilidade do Mercado Livre, Laura Motta. "À medida que mais empresas e marcas migram para os bioplásticos, elas aumentarão as cadeias de valor e os processos se tornarão cada vez mais eficientes, reduzindo cada vez mais os preços", diz. Informações do DCI.

Comentários (0)

Deixe seu Comentário