Manaus, 14 de Novembro de 2018
Siga o JCAM:

Mercado de planejados aquecido

Por: Antônio Parente
18 Out 2018, 19h25

Crédito:Divulgação
Motivado pela leve recuperação econômica dos últimos meses e o lançamento de novos empreendimentos residenciais na cidade, a procura por serviços de móveis planejados em Manaus, cresce 20%, afirmam empresários. Apesar da indefinição das eleições presidenciais e a política econômica do próximo governo, a expectativa para o próximo ano é de um cenário com boas oportunidades.

Segundo dados da ABF (Associação Brasileira de Franchising) do início do ano, o setor previu para este um aumento em até 10% de seu faturamento neste ano, seguindo o padrão de crescimento registrado pela franchising nos últimos anos.

Há sete anos atuando no mercado de móveis planejado, modulado, decoração e design de interiores, o empresário e projetista Saulo Paiva Ferreira, explica que apesar do setor moveleiro ter enfrentado grandes desafios com o impacto da instabilidade econômica dos últimos anos, a demanda na cidade vem crescendo mensalmente, e já projeta um 2019 de muito trabalho e projetos.

"O mercado na cidade está em um grande período de ascensão com grandes procuras dos serviços nos últimos 10 meses. Cerca de 80% dos clientes que nos procuram são para trabalhos residenciais, principalmente recém casados, que na maioria das vezes, planejam em sua cada e passam a investir em móveis planejados. Hoje já temos trabalhos programados para janeiro de 2019", disse.

Dados divulgados pelo IEMI (Instituto de Inteligência de Mercado) previam um avanço de 4,8% nas vendas de móveis no Brasil. Para Saulo, os altos valores cobrados pelas grandes lojas de planejados no mercado de Manaus, têm levado os consumidores a buscar marceneiros e projetistas. Um cenário tem dado grande oportunidades para eles desenvolverem seus trabalhos.

"Hoje o projetista vem dominando o mercado, e com isso algumas lojas vêm fechando suas portas, não devido a falta de demanda do serviço, mas por causa dos preços elevado de seus produtos. Com isso o consumidor tem buscado os marceneiros e projetistas que realizam um trabalho de qualidade com um preço mais em conta. Os marceneiros fazem um trabalho diferente com um serviço mais artesanal. Eles fazem um corte do MDF, da chapas e dos projetos de maneira manual. Já os projetistas realiza um projeto todo em 3D acompanhado de uma consultoria na área de decoração. Isso agrega valor ao trabalho", disse.

De acordo com dados da IEMI (Inteligência de Mercado), o varejo de móveis previam a comercialização de 377,5 milhões de unidades em 2018, totalizando uma receita de R$ 75,549 bilhões no mercado nacional. Os números representariam um aumento de 4,8% no volume vendido e 7,8% em termos de faturamento.

Mesmo com o mercado em alta, o empresário conta, que atualmente umas das maiores dificuldades do setor é encontrar mão de obra especializada na área de projetos e execução manual dos serviços. "Hoje encontramos uma grande dificuldade de encontrar pessoas que tenham essa qualificação. Infelizmente existem pessoas no mercado que não estão dispostas a aprender a área e investir no conhecimento. Precisamos de mais pessoas qualificadas na área de mão de obra, projetista e na própria administração dos recursos da empresa", disse.

Um das principais fontes de demanda para o segmento de móveis planejados é o setor de construção civil, que por meio de novos projetos residenciais que serão lançados, abrem novas oportunidades de atuação para os profissionais.

"O crescimento da construção civil favorece nosso setor. Hoje, Manaus tem novos empreendimentos residenciais que serão lançados em breve. Com isso esses novos moradores vão buscar modular sua casa. Então esse setor é muito importante para o andamento do nosso trabalho", frisou

Oportunidade de crescer


Há 22 anos trabalhando com marcenaria, o marceneiro Hércules dos Santos Garcia, entrou para o ramo de projetista e design. Aproveitando o crescimento do mercado na cidade, o empresário resolveu se qualificar para se adequar ao novo momento oferecido pelo mercado.

"Temos bastante clientes no mercado, e eles indicam nossos serviços para outras pessoas, e com isso fizemos nossa cartela de cliente. Com o crescimento do ramo, buscamos nos qualificar para atender essa demanda. Muitos dos clientes tem procurado nossas atividades e o faturamento tem aumentado de forma significativa", disse.


Saiba Mais

Segundo dados do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), 80% da cadeia moveleira é representada por pequenas empresas.
US$ 12 bilhões foi o valor movimentado pela indústria de mobiliário no Brasil em 2017
234 mil pessoas trabalham no setor de produção moveleira no Brasil.
23,2% foi a alta nas exportações de móveis para os EUA entre 2016 e 2017.
2,4% é a expectativa de crescimento para o setor em 2018.









Comentários (0)

Deixe seu Comentário